Pages

Ex malum scientia e otras cositas más

Então eu venho, pela primeira vez, fazer um post de verdade. Mas antes de ir para o assunto que realmente importa, sobre o fantástico mundo da literatura, vou falar um pouco do fantástico mundo de cinema, porque hoje eu decidi assistir "Sucker Punch". Eu confesso que tive altos e baixos com esse filme antes de decidir entrar no cinema. À primeira vista, foi o alto: Eu vi os pôsteres e me apaixonei.


Primeiro porque toda a parte gráfica e de cores é completamente Steampunk e eu achei o cenário e o design das roupas legal demais! Depois fiquei sabendo que o diretor era o Zack Snyder, diretor de "300" que é um dos meus filmes prediletos, baseados em HQ. Depois ainda vi que a atriz da Baby Doll é a Emily Browning, que fez a Violet Baudelaire do filme de "Desventuras em Série" (que eu detesto, já que sou muito fã dos livros, mas vamos ao foco! HAHAHA) e fiquei com muita vontade de ver, antes mesmo de ter uma data de estreia aqui no Brasil. Só que, quando estreou, foi a hora dos baixos. Li centenas de críticas ruins, que falavam que o filme era nonsense demais, que não fazia sentido e era apenas um cenário bonito para disfarçar o apelo para a porção de calcinhas e roupas curtas que apareciam. Eu fiquei bem sem vontade de assistir depois disso, porque eu sinceramente detesto filme apelativo e sem história (motivo pelo qual eu dificilmente gosto de "filmes de menino", como eu chamo coisas do estilo..."Triple X" e "Fast and Furious"). Foi só quando eu vi um "Inside the movies", da Warner Channel, que mostrou um pouco da gravação, que lembrava muito "300" e quando eu vi os efeitos e todo o clima do filme, eu pensei: Quer saber? Se for ruim, acho que vale apenas os cenários e uma inspiração boa pra novos contos, HAHAHAHA.

No final das contas, acabei me surpreendendo demais e chegando a ficar até com o coração acelerado de ver cenários TÃO LINDOS. E as calcinhas e o apelo? Sinceramente eu não vi. Claro que as garotas são bonitas e as roupas são curtas, mas tirando a sainha da Baby Doll, as cenas de ação são tão doidas que nem dá tempo de respirar pra ficar reparando em peito e bunda e olha que eu sou bem chata com essas coisas, HAHAHA. Enfim, eu não vou dar spoilers, porque eu quero que vocês tenham aquela emoção do efeito surpresa, de imaginar para qual "mundo surreal" elas vão na próxima missão, mas espero que esse post sirva de consolo para os desmotivados, porque eu realmente gostei muito de todas as personagens (Menos a da Vanessa Hudgens, a Blondie) especialmente da Rocket. Sem contar que os cenários são de tirar o fôlego e o concept design de cada coisa é detalhadamente pensado. Eu sou super detalhista e fiquei impressionada e pensar, no meio da cena de luta, como aquilo tudo estava funcionando com os "monstros" que apareciam. Sério, tinha tudo o que eu gostava ali, Japão tradicional, zumbis, robôs, samurais e soldados, não necessariamente nessa mesma ordem. E as músicas eram incríveis, esqueci de contar esse detalhe. A "Sweet Dreams" do começo é tipo NOSSA SENHORA. Hahaha.

Pra não viajar demais no assunto, fica aí a dica da semana!

Vale a ida ao cinema!

Okay, vamos ao outro tópico da noite! Como eu tinha dito no post anterior, meu segredo sombrio (?) é que eu pretendo ser escritora, um dia. E como o "um dia" não chegava nunca, eu comecei a fazer algumas coisas. Meu primeiro feito do ano foi me inscrever em um concurso de contos da Editora Estronho, chamado "Deus Ex Machina" - uma coletânea de contos Steampunk, de temática Anjos e Demônios. Foi uma oportunidade maravilhosa, na verdade, especialmente porque eu gosto muito das duas temáticas separadas, tive um milhão de idéias pra elas juntas, mas por questão de tamanho de conto, acabei escrevendo uma só. O resultado saiu ontem de madrugada e infelizmente eu não fui selecionada. Fiquei muito contente de saber que, no entanto, meus contos era um dos favoritos, o que me motiva ainda mais a continuar para os próximos con concursos, que eu também pretendo me inscrever. Eu tenho um pouco de dificuldade em escrever contos pequenos porque acho que vocês já puderam reparar que eu gosto de escrever DEMAIS, HAHAHA. Mas eu vou postar meu conto aqui, não só para vocês lerem, mas saber a opinião e a crítica construtiva de todo mundo, já que é a primeira vez que eu exponho contos meus assim, tão abertamente. Por isso, quem quiser, comente que eu vou ficar feliz!

O conto se chama Ex malum, scientia (é só clicar pra ler!). A palavra "malum" em latim tem como tradução "maçã" ou "Mal", motivo pelo qual a maçã é a origem de todo o pecado de Adão e Eva. O título seria algo como "Da maçã, ciência" ou "Do mal, ciência", porque na verdade é um jogo de palavras proposital, o resto vocês vão saber quando ler o primeiro capítulo. Vou dividir em três pra segurar o mistério, HAHAHA.

E é isso, mil perdões pelo texto gigante. Eu disse que tenho que aprender a escrever menos.
=*

7 comentários:

Kakao ♥ disse...

Não aguento mais esperar pra ver esse filme, to me descabelando ja! hahahahah ja sei q vou gostar e me empolgar litros, não tem nem como! XD

Mto bem escrito seu conto, vc tem talento de sobra pra essas coisas, principalmente qdo vc fala sobre temas q te encantam, sou mto fã e vou continuar torcendo por vc!

Bjs de açúcar!!

Dana disse...

Ah é, se você quer ir no cinema, eu recomendo você a ir rápido, pq aqui em SP as coisas andam saindo de cartaz muito cedo e COM CERTEZA vale ir no cinema *_*

E brigada, Kao, era só o primeiro capítulo, né, espero que você goste do resto, quando você for ler *_* Eu tbm torço muito por você

=***

Jess disse...

Dana, admiro imensamente toda e qualquer pessoa que tem a coragem e a determinação para correr atrás de seus sonhos, quaisquer que eles sejam. Isso é o que enxerguei em você, ao ler o primeiro post. Uma das coisas que mais me assustam na vida é a possibilidade de seguir um caminho errado e perceber depois que é tarde demais para voltar e correr atrás do que quero - principalmente porque quase tudo o que quero é considerado "loucura" ou "impossível" pela maioria das pessoas.
Por favor, não desista do seu sonho de ser escritora. Ainda que não tenha ganho esse concurso, tenho certeza de que muitas outras oportunidades virão, e com elas muito sucesso também.

E, claro, sobre o conto: muito bem escrito, esse começo! Vamos ver o que está por vir.

Dana disse...

Ah, puxa, Jess, muito obrigada. Sabe que apesar de dar medo (e dá mesmo!) não sei bem se existe algum momento "tarde demais". Talvez seja "tarde demais" pra agenda que a gente cria na nossa vida, mas eu tinha um professor de desenho que costumava dizer que "Na vida e na arte, pra tudo dá-se um jeito", HAHAHAHA.

Aliás, adorei seu blog, sou muito muito fã de Mori Girl e essas gracinhas campestres =* Obrigada de novo <3

Onçana disse...

Não vejo a hora de sair em DVD (aqui em Itaquaquecity não tem cinema,argh!)! Gostei do visual desse filme (me fez ficar menos infeliz pelo acidente que me deixou loira /parecida com a protagonista),quem sabe se eu curtir o filme rola um cosplay,né?

Dana disse...

Hahahaha acho difícil não gostar desse filme! Mas nossa, dá um pulo no cinema quando puder vir pra SP, vale a pena ver na telona, viu? E olha que eu não gosto de gastar dinheiro à toa com essas coisas, HAHAHA <3

Ronaldo Santana disse...

Bom, eu acho que já perdi esse filme, agora só no dvd. eu não fiquei motivado de ver pq não tava no espírito, de repente rola depois. Quanto ao seu conto. lerei agora mesmo, você verá os comentários por lá!

Postar um comentário